Para todos os que reclamam que o Tesla não faz barulho

Já é conhecida por alguns desde há algum tempo, principalmente pelos entusiastas de automóveis – VE, a possibilidade de ´anexar´ som ao carro, através de uma coluna de som externa . Agora o canal de youtube DragTimes publicou um destes casos, com um Tesla Model S Plaid. O canal publica análises de carros e vídeos , que são apenas para fins de entretenimento e não refletem necessariamente o desempenho ou cenários do mundo real devido à edição de vídeo / som, manipulações e efeitos especiais.

É agora a oportunidade de proprietários de Tesla atualizarem os seus altifalantes externos para fazer mais barulho, e foi claro o entusiasmo por parte de quem assistiu a este exemplo que fez o Tesla Model S Plaid soar como um ´Hellcat´, conforme referido. Todo este fenómeno como um fã admitiu que “amo como a Tesla está simplesmente a virar o mundo automóvel de cabeça para baixo, e a inovar em coisas que nenhuma construtora tradicional faria. Às vezes o tiro sai pela culatra, mas acho que a inovação, não importa o quão tola, é uma coisa boa.

Foram várias as reações e apelos para a produção dos próprios sons para serem utilizados no Tesla, ou outro comentário que “Ouvir um TESLA cammed pode causar dissonância cognitiva temporária – Mas vale MUUUUITO a pena!” , “Eu colocaria um som futurístico de aceleração ev com certeza.”, “Lol, isso é incrível, acho que escolheria “Weed Wacker”. Imagine os sons adormecidos vindos daquela fera … como o som de uma Vespa de 50cv. Lol!!…”, ” Finalmente. Alguma VELOCIDADE real para todo aquele ruído ´lmao´. “Eu absolutamente amo os sons que esses carros fazem. É o som de um desempenho legítimo.” “Grave-se fazendo ruídos de rotação e carregue-os — O som de helicóptero também seria fixe”, “Qualquer pessoa que perguntar se o PLAID é um carro RC, muito provavelmente não conseguirá soletrar Carro RC, e quando há tanta aceleração, não é preciso som.

“Eu escolheria um diesel de Detroit de 2 tempos. 8v92 ou algo desse género.”, “A menos que tenham o som do carro dos Jetsons, talvez isso”. Embora tenham havido comentários de quem prefira o estado atual desta tecnologia, “Vou ficar com o silêncio”, também há quem opte por opções criativas, “Eu imediatamente colocaria o som no carro do Sr. Magoo!” e mesmo comentários com outros apelos “recurso fixe! Gostaria que também aumentasse em rpm junto com o aumento de velocidade. Houve também quem admitisse retomar à época dos cavalos, com esta oportunidade: “Se o Youtube existisse em 1910 isso seria uma coisa: “Carros não têm alma. Nunca vou desistir do meu cavalo”. Se fosse tudo sobre alma, deveríamos montar um cavalo de verdade. Quero que os cascos e os paralelepípedos soem como se fossem um cavalo e uma charrete. LOL.” Ao constatar esta oportunidade que agora um Veículo Elétrico oferece, no caso um Tesla Model S Plaid, a pergunta será: “qual o som que optaria?”

Fonte: DragTimes

Formas criativas de obter ideias de conteúdo UGC para SEO

Neste artigo são exploradas estratégias criativas para obter novas ideias de conteúdo de forma a chamar a atenção do público. Todos nós já passamos pelo mesmo, refere o autor do artigo, aguardando e imaginando como preencher a nossa agenda de conteúdo para o mês. A solução simples pode ser obter ideias de concorrentes ou inserir alguns tópicos numa ferramenta de pesquisa de palavras-chave e ver o que surge. Isso não é de forma alguma um processo errado, e encontrar ideias de concorrentes pode ser uma estratégia eficiente e eficaz. Contudo, existem outros métodos que são freqüentemente subestimados:

  1. Fóruns
    Fóruns como Reddit e Quora são lugares incríveis para encontrar tópicos de interesse do nosso target, com as principais perguntas que as pessoas estão a encontrar. Além disso, os comentários podem ser uma mina de ouro para entender a linguagem e o sentimento em torno desses tópicos. Pesquise “[fórum] [tópico]” para encontrar tópicos relevantes. No Reddit, poderá classificar os comentários por Melhor, Novo, Polêmico e muito mais.
  2. Feedback do cliente
    Os seus próprios clientes são um dos melhores lugares para obter ideias de conteúdo. Quer dizer, quem melhor para perguntar? Pergunte ao seu público em quais tópicos eles estão interessados ​​e o que eles querem ver mais. Poderá fazer isso em entrevistas 1-1, brainstorms de grupo ou enviar enquetes para obter feedback. Uma das táticas favoritas do autor do artigo: usar o social-media como fonte de conteúdo diretamente dos seguidores.
  1. 3. Equipas de vendas / suporte ao cliente
    Se não tem relacionamento pessoal com os seus clientes, não há problema. As equipas internas que trabalham com os clientes podem ser um recurso igualmente útil! Isso pode incluir suporte ao cliente, vendas, pesquisa de mercado e muito mais. Aproveite uma chamada ou inicie uma conversa interna para discutir perguntas frequentes, pontos comuns de dor e outros comentários. Prepare-se para tirar algumas anotações sérias.

Dica: envie uma programação com antecedência para dar à sua equipa uma ideia do que irá pedir. Isso dará a chance de fazer brainstorms nas reuniões.

  1. Tópicos populares
    Uma tática empolgante para escrever conteúdo de bom desempenho é simplesmente ser o primeiro a chegar ao mercado. Usar tendências para obter ideias de conteúdo pode ajudá-lo a identificar tópicos emergentes que os concorrentes podem ainda nem estar cientes. Alguns lugares onde poderá encontrar essas ideias:

Google Trends
Exploding Topics
BuzzSumo
Pinterest Trends
YouTube
notícias do Google
Dica: A sua concorrência tem acesso às mesmas ferramentas que as suas, portanto, não dependa apenas das ferramentas de tendências para obter essas ideias.

Com a sua equipa, faça brainstorms de tópicos que podem ser tendências com base em eventos mundiais, cultura pop, etc. Durante a pandemia, refere o autor do artigo que ajudou um cliente a escrever conteúdo de sucesso sobre consultas médicas virtuais. Esta ideia veio de um bom e antigo Brainstorm.

  1. Reveja o conteúdo de melhor desempenho
    É hora de ir ao tesouro final: os seus próprios dados. Reveja o seu conteúdo de melhor desempenho nos últimos 3-6-12 meses. Encontre pontos em comum no conteúdo que está a funcionar para ver se há uma oportunidade de criar mais. Existe um tópico comum que não abordou totalmente ou um formato de sucesso que pode escalar? Por exemplo, olhar para trás, para os melhores desempenhos do meu cliente, rapidamente revelou um formato popular, refere o autor do artigo: posts acerca de “citações”. Pesquisamos “citação”, e tópicos que ainda não cobrimos e que eram relevantes para nosso público e começaram a funcionar. Nos últimos dois anos de criação e atualização deste conteúdo, verificou-se um bom aumento no tráfego dos artigos de “citações”. Prova de que, às vezes, a criatividade não precisa significar reinventar a roda. O truque é encontrar novas maneiras de manter o curso.
  1. Comentários do artigo                                                                                              As pessoas estão mais dispostas do que nunca a partilhar os seus pensamentos e opiniões. Idéias de conteúdo fantásticas podem estar escondidas nas profundezas dos artigos que já escreveu. Reveja comentários sobre os seus próprios artigos e sobre os dos seus concorrentes. Poderá usar ferramentas de rastreamento como Screaming Frog e Sitebulb para encontrar rapidamente os artigos com mais comentários, para ter uma ideia de por onde começar. E esse esforço vale a pena. Alguns meses atrás, o autor do artigo estava a examinar comentários sobre o artigo do cliente sobre melhoras no logo nas cartas e encontrou: Cartões virtuais de melhora – génio!

Além de encontrar ideias de conteúdo a partir de comentários, também poderá usar comentários para melhorar o seu conteúdo após a publicação. É chamada a esta otimização de feedback tático, usando os comentários do leitor para melhorar o conteúdo, e apenas com a implementação de sugestões populares nos comentários, o tráfego orgânico do artigo principal referido aumentou + 21% em apenas um mês. Tudo demorou cerca de vinte minutos.

  1. Escuta social                                                                                                            A escuta social é um meio testado e comprovado de descobrir novas ideias de conteúdo. Ler o que o seu público está a dizer online pode revelar o que lhes interessa e como falam sobre isso. Poderá utilizar ferramentas de escuta social para automatizar o processo ou pode fazer pesquisas manualmente procurando hashtags ou palavras-chave.
    Ter em atenção especial às postagens que geram muito buzz ou exibem uma forte emoção (seja positiva ou negativa). Por exemplo, uma pesquisa por #cooking no Twitter gera uma ideia de conteúdo interessante imediatamente, e uma rápida pesquisa no Google mostra inúmeras oportunidades em torno deste tópico.
  2. Recursos de pesquisa do Google
    Os próprios recursos de pesquisa do Google fornecem uma maneira eficiente de se inspirar em pesquisas relacionadas. Uma rápida pesquisa no Google pode fornecer dezenas de novas ideias de conteúdo! Preenchimento automático – digite seu tópico no Google e clique antes e depois do texto para ver quais outras consultas aparecem. Experimente estes operadores de pesquisa para ajudá-lo a expandir as ideias do preenchimento automático. Pesquisas relacionadas – analise pesquisas semelhantes listadas abaixo dos resultados da pesquisa. As pessoas também perguntam – Essas perguntas relacionadas podem fornecer uma série de novas ideias de conteúdo.

  1. Comentários
    Por último, mas certamente não menos importante, as avaliações estão repletas de pepitas de sabedoria para melhorar ou promover o seu produto ou serviço. Aceda ao Google My Business, Amazon, Facebook (ou qualquer site de avaliação de clientes) para espiar as suas próprias avaliações e as de seus concorrentes. Dica: preste atenção especial às avaliações de 1 estrela. Saiba o que não está a funcionar para o seu público para que possa resolver esses problemas. Por exemplo, se uma pessoa disser que um produto é muito caro, poderá escrever conteúdo sobre como torná-lo mais económico ou por que vale a pena o dinheiro extra.

Claro, você pode inverter o script e verificar os comentários de 5 estrelas para ver o que está a correr bem. Se alguém adora que o seu produto seja seguro para animais de estimação, poderá ser algo que você enfatiza nos nomes, nas descrições ou nos artigos de seus produtos. Se tentar pelo menos algumas dessas ideias, com certeza sairá com as ideias de conteúdo. Apenas certifique-se de documentar a sua pesquisa para que nenhum´momento Eureka´ fique para trás. E com isso, divirta-se mergulhando!

Fonte: Searchengineland

14 factos pouco conhecidos sobre os primeiros dias da Amazon

Quando a Amazon foi fundada a 5 de julho de 1994, como um site que vendia apenas livros, o fundador Jeff Bezos tinha uma visão para a empresa, com um crescimento explosivo e domínio do comércio eletrônico, e Jeff Bezos originalmente queria chamar a Amazon de ‘Cadabra’. Ele sabia desde o início que queria que a Amazon fosse “uma loja de tudo”. Agora, Bezos deixará de ser CEO após 27 anos e dezenas de biliões em ganhos. No livro de 2013 do autor Brad Stone sobre as origens da Amazon, ele pinta um quadro dos primeiros dias da empresa, e como cresceu e se tornou o gigante que é hoje. Jillian D’Onfro contribuiu para uma versão anterior desta história.

“Amazon” não era o nome original da empresa.

Jeff Bezos originalmente queria dar à empresa o nome mágico de “Cadabra”. O primeiro advogado da Amazon, Todd Tarbert, convenceu-o de que o nome soava muito parecido com “Cadáver”, especialmente por telefone. (Bezos também preferia o nome “Relentless”. Se visitar Relentless.com hoje, acede à Amazon.) Ele finalmente escolheu “Amazon” porque gostava que a empresa recebesse o nome do maior rio do mundo, daí o logotipo original da empresa. 

Nos primeiros dias da Amazon, um sino tocava no escritório toda vez que alguém fazia uma compra e todos se reuniam para ver se eles conheciam o cliente.

Demorou apenas algumas semanas para o sino tocar com tanta frequência que tiveram que desligá-lo. No primeiro mês de seu lançamento, a Amazon já havia vendido livros para pessoas em todos os 50 estados Americanosm e em 45 países diferentes.

Um livro obscuro sobre líquenes (uma alga e doença de pele) salvou a Amazon da falência.

Os distribuidores de livros exigiam que os retalhistas encomendassem dez livros de cada vez, e a Amazon ainda não precisava de tanto stock (ou tinha tanto dinheiro). Então, a equipa descobriu uma lacuna: embora os distribuidores exigissem que a Amazon pedisse 10 livros, a empresa não precisava de receber tantos. Então, eles encomendariam um livro de que precisavam e nove cópias de um livro obscuro de líquen, que sempre estava fora de stock.

A Amazon saiu da garagem de Bezos, e no início, Bezos realizava reuniões na Barnes & Noble.

Nos primeiros dias da Amazon, os servidores que a empresa usava requeriam tanto poder, que Bezos e sua esposa não conseguiam utilizar secador de cabelo ou um aspirador em casa sem queimar um fusível. 

Jeff Bezos esperava que os funcionários trabalhassem 60 horas por semana, pelo menos. A ideia de equilíbrio entre vida pessoal e profissional não existia.

Um dos primeiros funcionários trabalhou incansavelmente durante oito meses – indo e voltando do trabalho de bicicleta bem cedo e muito tarde da noite – que ele se esqueceu completamente do automóvel que estacionou perto de seu apartamento. Ele nunca teve tempo de ler a sua correspondência e, quando finalmente o fez, encontrou várias multas de estacionamento, um aviso de que o seu carro tinha ido rebocado, alguns avisos da empresa de reboque e uma mensagem final de que seu carro havia sido vendido num leilão.

A primeira temporada intensa de Natal da Amazon chegou em 1998.

A empresa estava com uma equipa dramaticamente insuficiente. Cada funcionário teve que fazer um turno nos centros de distribuição para atender pedidos. Eles traziam os seus amigos e familiares e muitas vezes dormiam nos seus carros antes de irem para o trabalho no dia seguinte. Depois disso, a Amazon jurou que nunca mais faltaria mão-de-obra para atender a procura de feriado, e por isso hoje a Amazon contrata muitos trabalhadores sazonais.

Quando o eBay entrou em cena, a Amazon tentou construir o seu próprio site de leilões para competir. A ideia fracassou, mas o próprio Bezos adorou.

Ele comprou um esqueleto de $ 40.000 (cerca de 34.000€) de um urso das cavernas da Idade do Gelo e exibiu-o no saguão da sede da empresa. Ao lado estava uma placa que dizia “Por favor, não alimente o urso”. Ainda está lá hoje.

Bezos gostava de se mexer incrivelmente rápido, o que muitas vezes criava o caos, especialmente nos centros de distribuição da Amazon.

A Amazon sofreu dores extremas de crescimento no final dos anos 90 e no início dos anos 2000. As instalações seriam fechadas por horas por causa de interrupções do sistema, pilhas de produtos permaneceriam ignorados pelos trabalhadores e não havia preparação para novas categorias de produtos. Quando a categoria de cozinha foi introduzida, existiam facas sem embalagem protetora nas prateleiras , e eram extremamente perigosas.

No início de 2002, Bezos introduziu o conceito de “equipas de duas pizzas” na Amazon.

Os funcionários seriam organizados em grupos de menos de 10 pessoas – o número perfeito para ficar satisfeito com duas pizzas ao jantar – e deveriam trabalhar de forma autónoma. As equipas tiveram que definir metas rígidas, com rácios para medir o seu sucesso. Essas equações eram chamados de “funções de preparação física”, e rastreavam esses objetivos , sendo a forma como Bezos administrava as suas equipas. “A comunicação é um sinal de disfunção”, disse Bezos. “Isso significa que as pessoas não estão a trabalhar juntas de uma forma orgânica. Devíamos estar a tentar descobrir uma maneira de as equipas comunicarem menos umas com as outras, não mais. ” Muitos funcionários odiavam “equipes de duas pizzas” e, especialmente, o stress das atividades físicas.

Os clientes insatisfeitos podem enviar um e-mail diretamente para Jeff Bezos e ele encaminhará a mensagem para a pessoa certa, com uma temida adição: “?” “Quando os funcionários da Amazon recebem um e-mail com ponto de interrogação de Bezos, reagem como se tivessem descoberto uma bomba-relógio. Terá algumas horas para resolver qualquer problema que o CEO sinalizou e preparar uma explicação completa de como isso ocorreu, uma resposta que será analisada por uma sucessão de gerentes antes que a resposta seja apresentada ao próprio Bezos. Esses procedimentos, como esses e-mails são conhecidas, e são a forma de Bezos garantir que a voz do cliente seja constantemente ouvida dentro da empresa. “

Antes do Google ter o “Street View”, a Amazon tinha o “Block View”.

Em 2004, a Amazon lançou um mecanismo de busca, A9.com. A equipe A9 iniciou um projeto chamado Block View, uma página amarela visual, que combinaria fotos de lojas e restaurantes com as suas listas nos resultados de pesquisa do A9. Com um orçamento de menos de US $ 100.000, a Amazon transportou fotógrafos para 20 grandes cidades onde alugaram veículos para começar a tirar fotos de restaurantes. A Amazon finalmente abandonou o Block View em 2006, e o Google não iniciou o Street View antes de 2007.

Os funcionários da Amazon foram encorajados a usar “gritos primitivos” como exercício terapêutico durante a alta tensão das festas de fim de ano.

A Amazon contrata trabalhadores sazonais, mas o período de festas ainda é extremamente stressante para as equipas da logística, e no início dos anos 2000, Jeff Wilke, gerente de operações da Amazon, permitia que qualquer pessoa ou equipe que realizasse uma meta significativa feche os olhos, recostem-se e gritem no telefone com ele a plenos pulmões. Wilke disse a Brad Stone que alguns dos primórdios gritos quase rebentaram com os seus alti-falantes.

Os centros de atendimento da Amazon têm problemas com as suas condições de trabalho desde o início, e muitos trabalhadores insatisfeitos encontraram maneiras de se revoltarem.

Certa vez, um funcionário que estava a preparar-se para sair , saltou na correia transportadora do centro de distribuição e conduziu-a alegremente por toda a instalação. Uma das histórias mais loucas, no entanto, pode ser de 2006 e envolve um funcionário temporário num centro de atendimento do Kansas: “Ele aparecia no início de seu turno e ia embora no final, mas nunca registava nenhuma hora entre eles. Demorava pelo menos uma semana para qualquer um descobrir o que estava a aconter: ele havia escavado um covil dentro de uma enorme pilha de paletes de madeira vazios. Completamente escondido, ele usou produtos da Amazon para fazer uma cama, rasgou fotos de livros da Amazon para forrar as suas paredes improvisadas e roubou comida para fazer um lanche. Quando foi descoberto, foi (sem surpresa) despedido. “

“Fiona” era o nome de código original do Kindle da Amazon.

O nome original do Kindle vem de um livro chamado “The Diamond Age”, de Neal Stephenson. Era um romance passado no futuro sobre um engenheiro que rouba um livro interativo raro para dar à sua filha faminta por conhecimento, Fiona. A equipa que trabalhou nos protótipos do Kindle pensou naquele livro fictício como o modelo para o dispositivo que eles iriam trabalhar. A equipa acabou implorando a Bezos para manter o nome de Fiona, mas ele optou por outra sugestão, Kindle, porque evocava a ideia de
começar um incêndio.

Jeff Bezos era um chefe exigente e podia explodir com os funcionários. Rumores dizem que ele contratou um treinador de liderança para ajudá-lo a diminuir o tom.

Bezos era conhecido por suas respostas explosivas ou sarcásticas aos funcionários, caso não ficasse feliz com o que eles relatavam a ele, e contratou um treinador de liderança para tentar controlar suas avaliações severas. Aqui está um desses exemplos no livro de Brad Stone: “Durante uma reunião memorável, Bezos repreendeu [Diane] Lye e os seus colegas na sua maneira habitualmente devastadora, dizendo-lhes que foram estúpidos e disse-lhes que deveriam ‘voltar numa semana, quando descobrirem o que se passou ‘. E então , ainda deu alguns passos, congelou no meio do caminho, como se algo de repente tivesse ocorrido , virou-se e acrescentou: ‘Mas ótimo trabalho, pessoal.’ “

Fonte: Businessinsider

Ratchet & Clank faz New Game e um bom motivo para jogar novamente

O autor do artigo refere que não é uma pessoa típica do New Game Plus, gostando de experimentar jogos mais de uma vez, mas geralmente da maneira que o ´developer´ pretendia originalmente, sem todas as atualizações extravagantes. Refere ainda que joga jogos Ratchet & Clank com a missão de atualizar todo o seu arsenal – e não poderá fazer isso totalmente sem o New Game Plus. E isto, para referir que parte do que faz o New Game Plus de Ratchet & Clank funcionar é que é aumentado, e sempre gostou das histórias na série, mas a exploração e o tiroteio são o que realmente o atrai. A sua missão de atualizar todas as ferramentas é uma de descoberta. Não só quer ver como cada arma maluca se transforma depois de usá-la, e quer para tê-lo no bolso de trás para a próxima vez que as suas costas estiverem contra a parede.

A melhor parte de New Game Plus em Ratchet & Clank é que permite usar essas armas superpoderosas. Porque se vê cada inimigo como experiência em potencial, e coloca uma arma de lado no momento em que a maximiza e a transforma. Fora de uma luta de um ´boss´ ou ficar sem munição em armas não atualizadas, mal se consegue usar essas ferramentas incríveis de destruição no nível 5, e atualizar e trocar para o próximo projeto.  Desde Ratchet & Clank: Going Commando – a sequência do jogo original no PlayStation 2 – muitos terão jogado todos os jogos na série com um objetivo: atualizar todas as armas. É um objetivo nobre e divertido, mas é difícil arrancar numa única jogada. É aí que entra o New Game Plus.

Ratchet & Clank não inventou o New Game Plus, mas é a primeira vez que o autor do artigo se lembra de ver essa linguagem quando era criança. Foi uma chance não apenas de jogar um jogo que gostou pela segunda vez e completar a missão, mas de progredir ainda mais e desbloquear novos coisas também. Os novos modos Game Plus do Ratchet & Clank sempre foram os melhores, e Ratchet & Clank: Rift Apart continua a tradição. No fundo, Ratchet & Clank é uma série sobre armas. E desde Going Commando, os jogadores têm sido capazes de atualizar o arsenal de Ratchet e usarem essas armas contra os inimigos. No início, as armas tinham apenas um único nível, e depois transformariam-se em algo diferente e mais poderoso. Por exemplo, a Blitz Gun é uma espingarda em Going Commando, e com bastante uso ele irá evoluir, como um Pokémon, para o Canhão Blitz.

Com o passar dos anos, esse sistema expandiu-se. Em Rift Apart, os jogadores podem atualizar cada arma cinco vezes durante as suas primeiras playthrough. Na quinta atualização, transforma-se em algo novo. A primeira arma que Ratchet pega na sua aventura de 2021 é a pistola Burst; os jogadores podem puxar o gatilho até a metade para atirar lentamente para obter mais precisão ou puxar o gatilho todo para fogo totalmente automático. No nível 5, a Burst Pistol transforma-se, e ganha três barris. Rift Apart também leva adiante a tradição milenar de adicionar versões Omega dessas armas no New Game Plus. Nos playthroughs, os jogadores ganham um multiplicador de bolt (moeda de Ratchet & Clank) para cada inimigo que derrotam sem serem atingidos. Os jogadores podem levar a sua pilha de dinheiro para a loja para comprar versões supercaras de armas que eles atualizaram totalmente – armas Omega.

Assim que os jogadores tiverem as suas novas armas Omega em mãos, a busca pela atualização começa novamente. Em Rift Apart, a versão Omega da pistola Burst pode ir do nível 5 ao nível 10. E mesmo que não haja uma grande transformação de arma no final, ainda dá aos jogadores algo para fazer na segunda rodada além de simplesmente experimentarem a história novamente. Assim, e concluindo, o autor do artigo refere que reintroduzir as armas com variantes Omega não só o motiva, permitindo atualizar-se ainda mais as suas ferramentas, mas também o permite brincar com as armas poderosas. Essas armas Omega começam a ser atualizadas, e agora estará apenas tentando aumentar sua eficácia nivelando-os ainda mais. Eventualmente, irá terminar de comprar e aumentar o nível de todas as suas armas Omega também. E enquanto poderia simplesmente desconectar e ligar e um trabalho bem feito, diz que irá continuar a jogar até ao final do jogo, para que possa aproveitar a glória de um arsenal totalmente atualizado até terminar. É a recompensa perfeita após duas jogadas consecutivas do mesmo jogo.

Fonte: Polygon

Porsche apresenta o Porsche Communication Management 6.0

A aplicação Porsche Track Precision é gratuita, e agora pode ser exibido no ecrã do carro com o Apple CarPlay. Possui 300 rotas e circuitos internacionais programados, sistema que pode monitorizar o desempenho do carro. Nenhum sistema de info-entretenimento está completo sem uma aplicação de smartphone que o acompanha.

A aplicação Porsche Connect dá aos motoristas acesso a uma série de recursos do veículo quando eles estão longe do carro, incluindo bloqueio e desbloqueio remotos de portas. O Porsche Taycan, o Cayenne e o Panamera equipados com tração híbrida podem ajustar a temperatura interior do carro com a capacidade de programação pré-resfriamento / pré-aquecimento para horários de partida planeados.

Os clientes também serão capazes de rastrear a pressão dos pneus, o status da fechadura da porta, e muito mais através dos seus telefones. O PCM 6.0 melhora o controlo de voz, melhora a navegação, um novo layout e muito mais, num software que se está a tornar numa parte vital da experiência automóvel à medida que os fabricantes de automóveis o digitalizam ainda mais , um elemento essencial intermediário na forma como interagimos com os nossos carros.

Grandes e pequenas empresas automóveis estão a lançar novos softwares de info-entretenimento, assistentes de voz e aplicações de smartphone. A Porsche não é diferente, apresentando hoje o Porsche Communication Management 6.0 – um pacote de brindes de software projetados para ajudar os ocupantes a personalizar a sua experiência de condução.

O PCM 6.0 recebeu uma série de novos recursos, mas a experiência começa com um layout aprimorado – designs de ícones actualizados, uma nova fonte e novas cores. Informações fáceis de ler são cruciais num carro, mas olhar para o ecrã de infoentretenimento é apenas um modo de interação.

Os passageiros podem deixar de tocar no ecrã com a evolução do controlo de voz. “Ei, Porsche,” permite o acesso a uma série de funções como “Preciso de gasolina”, instruindo o sistema de navegação a iniciar uma busca por postos de gasolina. Outras funções controláveis ​​por voz incluem os assentos de massagem, o ar-condicionado e a iluminação ambiente.

Outra característica do PMC 6.0 é a sua nova capacidade de navegação inteligente que não só garante que o mais recente e mais preciso dos mapas é baixado, mas também pode calcular a rota de direção em tempo real com o tráfego. Vai tão longe que inclui a visualização ao motorista quanto tráfego está numa rota específica.

Os utilizadores do PCM 6.0 também poderão usar os dois dispositivos sem fio da Apple CarPlay (disponível anteriormente) e Android Auto com fio (disponível recentemente). Os motoristas também poderão aceder a assistência por voz do PCM e assistentes de voz do Android e da Apple.

Um dos recursos mais interessantes, que ainda está em fase de protótipo, é Soundtrack My Life. O recurso fornece uma faixa sonora literal adaptada à rota do carro e ao estilo de direção do motorista. A Porsche diz que não é baseado em estruturas sonoras clássicas e é mais semelhante a uma faixa sonora de filme, e a adaptar-se à forma como o motorista acelera, trava e gere as curvas. Se a Porsche decidir produzi-lo, irá integrar-se à aplicação Porsche Connect. O PCM 6.0 chega neste verão ao 911, Panamera e Cayenne.

Fonte: Motor1

Vendas de smartphones a voltar ao normal ao entrar numa era pós-pandemia

A Gartner, no seu último relatório de ´inteligência´ e análise de mercado, observa que a Samsung vendeu 76,6 milhões de aparelhos globalmente durante o primeiro trimestre de 2021, conquistando 20,3 por cento do mercado, com o 5G a ser claramente um impulsionador de crescimento para os principais fabricantes de smartphones da indústria, e a participar no processo. O lançamento de telefones de preço médio, bem como a remessa antecipada dos principais aparelhos 5G, contribuíram para o crescimento das vendas, disse a Gartner. 

A Apple terminou em segundo lugar , agora nesta análise de mercado efetuado pela Gartner, com 58,6 milhões de iPhones vendidos, o suficiente para uma quota de mercado de 15,5 por cento. Da mesma forma, a marca ´de Cupertino´ obteve ganhos e vantagem desde o lançamento de seus primeiros iPhones habilitados para 5G, um recurso que o Gartner acredita que continuará a ser um grande impulsionador de crescimento para a Apple ao longo de 2021. A fabricante chinesa de smartphones Xiaomi ´abocanhou´ 12,9 por cento do mercado em vendas que se aproximam de 49 milhões de unidades, enquanto a Vivo e a Oppo garantiram cada uma, uma fatia de 10,2 por cento do segmento de mercado.

Anshul Gupta, diretor de pesquisa sénior da Gartner, citou uma série de factores que levaram ao aumento das vendas no primeiro trimestre, incluindo uma melhoria na perspectiva do consumidor, trabalho sustentado e aprendizagem em casa bem como a procura que havia sido reprimida a partir de 2020, conforme se pode verificar na análise efetuada pela consultora, aqui. “Os consumidores começaram a gastar em itens discricionários conforme a situação da pandemia melhorou em muitas partes do mundo e os mercados se abriram”, acrescentou Gupta.

Dito isso, não podemos ignorar o fato de que a base de comparação em 2020 é menor do que era em 2019. “Isso explica o crescimento de dois dígitos”, observou Gupta.

Fonte: Techspot

Plataforma de TV inteligente Tizen OS da Samsung tornou-se um gigante em cinco anos

Lançado em 2015, o Tizen OS tornou-se em pouco tempo um gigante, mas resumindo o que é Tizen OS? Bem, é um sistema operativo baseado em Linux que foi construído num ambiente de código aberto, o que significa que está mesmo disponível para ´developers´e fabricantes de dispositivos em todo o mundo.

Sendo baseado no Linux Kernel e desenvolvido pela Linux Foundation em parceria com a Samsung, Panasonic e Intel para funcionar em smartphones, tablets, smart TVs, netbooks, veículos e todos os outros tipos de sistemas. Para a criação de aplicações, o Tizen facilita o desenvolvimentos de aplicações nativas, sem deixar de lado a flexibilidade do uso de HTML.

A Samsung TV Plus é uma das razões pelas quais tantas pessoas gravitam para as smart TVs da empresa e para a plataforma Tizen . O TV Plus está disponível gratuitamente para qualquer dono de SMART TV da Samsung e dá acesso a mais de 1.000 canais em mais de 23 países em todo o mundo.

A Samsung Art Store e a interface amigável do utilizador Tizen OS são dois outros fatores que contribuíram para o sucesso da plataforma. Embora o Tizen seja substituído por Wear OS nos smartwatches galaxy ainda este ano, a empresa não tem planos para abandonar a plataforma de software para o seu negócio de SMART TV.

Pelo contrário, o Tizen OS para as smart TVs da Samsung está aparentemente aqui para ficar, e hoje, a empresa lembrou-nos as conquistas da plataforma através de uma nova infografia. Confira a infografias da Samsung para mais detalhes.

A primeira smart TV da Samsung alimentada por Tizen OS foi lançada em 2015 e foi seguida por uma variedade de modelos em todos os diferentes segmentos e gamas de preço. A empresa lançou o seu primeiro ´lifestyle TV´ alimentado por Tizen OS, bem como a sua Art Store em 2017.

A Samsung vendeu 300 milhões de televisores, monitores e produtos de sinalização movidos a TIzen OS de 2015 a 2020. Como do ano passado, houve mais de 190 milhões de utilizadores de TV inteligente Tizen OS em 197 países.

Fonte: Sammobile