Valve vai remover todos os jogos blockchain do Steam

´Developer´ confirma que a Valve não quer negociação de valor real no Steam, e agora o assunto tornou-se uma batata quente: a Valve está a planear remover todos os jogos do Steam que usam blockchain para trocar criptomoedas e
tokens não fungíveis (NTF). Usar NFTs em jogos tornou-se um assunto polêmico, já que alguns foram acusados ​​de serem golpes.

A Valve notificou o ´developer´ da SpacePirate Games que está a remover o jogo NTF do estúdio Age of Rust do Steam, juntamente com todos os outros jogos de blockchain. A Valve disse que não permite jogos que envolvam a venda e transferência de itens com um ´valor real´ no Steam. O ´developer´ partilhou uma foto onde a Valve lista coisas que desencoraja os ´developers´de publicar no Steam, com jogos blockchain que usam criptografia e NFTs .

Age of Rust é um jogo de ação e quebra-cabeça de ficção científica para um jogador que foi lançado ainda este ano. Ele incorpora NFTs no jogo-itens negociáveis. A descrição do Steam do ´developer´diz que Age of Rust usa NFTs da plataforma Enjin, alguns dos quais os jogadores podem ganhar como
conquistas para completar certos quebra-cabeças. Também usa NFTs de outros jogos como Epochrome, Forgehammer, Stormwall, Shadowsong, Oindrasdain e APG-M55. A SpacePirate Games afirma que continuará a trabalhar em jogos e NFTs fora do Steam.

No início deste mês, o criador do conjunto de NFTs Evolved Apes desapareceu junto com um site, uma conta no Twitter e milhões de dólares em criptomoedas. Os clientes que compraram os NFTs podem usá-los num jogo de luta e ganhar a criptografia Ethereum. Macaco Maligno havia vendido milhares de NFTs antes de desaparecer com o dinheiro dos investidores que deveria ser usado para desenvolver e comercializar o projeto. Portanto, a hesitação da Valve em relação aos jogos NFT não é infundada.

Fonte: Techspot

Advertisements

EA e FIFA em desacordo por valores e limites de licenciamento

Uma reportagem do New York Times indica que a Electronic Arts, que já declarou abertamente que considera alterar o nome FIFA de sua popular franquia de jogos de futebol, registou agora a marca para “EA Sports FC” no Reino Unido e União Europeia, indicando um possível substituto para o título da série. De acordo com o site VGC, a publisher registou a marca num escritório de patentes no Reino Unido a 1 de outubro, e no seu equivalente da União Europeia a 4 de outubro. O interesse da EA em mudar o nome de sua franquia de futebol, que conta com “FIFA” desde o primeiro jogo da série em 1993, ficou conhecido publicamente na última semana com uma publicação no blog oficial da empresa assinada pelo diretor geral da EA Sports, Cam Weber.

“Ao olharmos em frente, também estamos a explorar a ideia de renomear os nossos jogos de futebol da EA SPORTS globais”, escreveu Weber. “Isso quer dizer que estaremos a rever o nosso acordo de direitos de nome com a FIFA, que é separado de todos os nossos outros parceiros oficiais e licenças por todo o mundo do futebol.” De acordo com a nova reportagem do New York Times, a iniciativa do publisher em mudar o nome da franquia seria devido a uma disputa entre a empresa e a própria FIFA, tanto no valor da licença quanto seus limites. “O cerne da disputa é financeira”, diz a reportagem de Tariq Panja. “A FIFA almeja mais do que o dobro do que recebe atualmente da EA Sports, de acordo com pessoas com conhecimento sobre as negociações, um valor que aumentaria o pagamento da série para mais de US$ 1 bilião para cada ciclo de quatro anos entre Campeonatos do Mundo.”

Não só isso, “a FIFA preferiria manter a exclusividade da EA para parâmetros limitados relacionados ao uso em jogos de futebol, muito provavelmente para procurar novas fontes de renda para os recursos que manteria. A EA Sports, por outro lado, defende que a companhia pode explorar outras ´avenidas´ dentro do ecossistema de videojogos da FIFA, incluindo destaque de jogos reais, torneios de jogos e produtos digitais como NFTs.” De acordo com a reportagem, ao limitar a exclusividade da EA, a FIFA poderia formar parcerias com outras produtoras de games — como a Epic Games, de Fortnite — para diferentes produtos, sem a necessidade de repartir os lucros com o publisher.

Peter Moore, antigo executivo da EA Sports (e Sega, e Xbox, e Liverpool…), indica que isso seria um ponto de contenção significativo dentro da produtora de jogos. “Eu diria: ‘Espera um segundo: nós literalmente gastamos centenas de milhões de dólares em desenvolvimento e estão a dizer-me que a Epic Games pode chegar e adquirir uma licença para o nome que nós produzimos, investimos e que é sinónimo de ´videojogo´?'”, declarou ao NYT. ” E aí sim, vou negociar e lutar por isso.” O NYT relata que “pelo menos dois anos de conversas” sobre a renovação do contrato que permite que a EA use o nome da organização “Bateu na parede” depois de a FIFA ter pedido US $ 1 bilião para cada ciclo de quatro anos da Copa do Mundo. A FIFA, o órgão que controla o futebol mundial, também está empenhada em limitar a extensão dos direitos da EA, em que a editora supostamente deseja explorar “destaques de jogos reais, torneios de videojogos de arena e produtos digitais como NFTs”.

O contrato atual de dez anos da EA com o nome da FIFA expira após o Mundial do Catar no próximo ano. A EA declarou publicamente que estava a ponderar o corte de laços com o nome FIFA num comunicado à imprensa incomum publicado no início desta semana.
No comunicado, o representante da EA Sports GM Cam Weber confirmou que a empresa estava “a explorar a ideia” de renomear a franquia de sucesso, estando a rever o seu acordo de direitos de nome com a FIFA, órgão que governa o futebol mundial. O ex-chefe da EA Peter Moore, que agora trabalha na Unity Technologies, disse ao New York Times numa entrevista por telefone que a declaração era incomum para a empresa de jogos e ele acreditava que estava “claramente a enviar um pequeno sinal”. Embora não esteja claro quando uma decisão sobre o futuro da franquia será feita, a EA recentemente tomou várias medidas para garantir um futuro para a série, com ou sem esta direção.

No início deste mês, foi anunciado que a Electronic Arts havia chegado a um acordo para estender o seu contrato atual com o sindicato dos jogadores de futebol FIFPro, que lhe dá acesso às imagens e nomes dos jogadores de futebol profissionais. Mais tarde, foi descoberto que a EA tinha a marca registada “EA Sport FC” com a ´Autoridade de Propriedade Intelectual´ do Reino Unido e da União Europeia este mês. O tema ´fim do acordo´, que já dura décadas, seria danoso para ambas as partes, mas ao que tudo indica a EA estaria disposta a sofrer o risco, já que conta com diversos acordos de licenciamento com ligas e torneios de futebol pelo mundo (incluindo LaLiga, Bundesliga e Libertadores), e com órgãos como o FIFPRO, maior representante global de atletas profissionais de futebol, cuja parceria foi renovada nesta terça (12).

Já a FIFA poderia sofrer com o fim da licença, perdendo uma de suas grandes fontes de renda e impedindo planos de expansão da organização para o futuro. O fim das negociações, positiva ou negativamente, deve ser concluída até o fim do ano. FIFA 22, novo jogo da série, já está disponível, e poderá confirmar na review, que declara: “Muitos costumam referir que os jogos de futebol são apenas algumas atualizações da versão anterior, mas isso não é o que realmente acontece, e FIFA 22 não faz nada de revolucionário, mas consegue renovar e reformular diversos aspectos problemáticos das edições anteriores, de aspectos da jogabilidade ao modo Carreira — tanto do jogador
quanto treinador.”

“Ao longo de anos construindo nossa franquia global, também sabemos que a autenticidade é essencial para a experiência”, disse o chefe da EA Sports, Weber. “É por isso que concentramos tanta energia na força coletiva de mais de 300 parceiros licenciados individuais que nos dão acesso a mais de 17.000 atletas em mais de 700 equipas, em 100 estádios e mais de 30 ligas em todo o mundo”.
Fonte: Videogameschronicle

Advertisements

Teste em Monza do novo Porsche 911 GT3 R

Na semana passada, o Daily Sport Car trouxe as primeiras fotos, graças a Fausto Mattei, da próxima versão da oferta GT3 da Porsche, o 911 GT3 R, esta a primeira versão do GT3 R baseada na atual plataforma 992 da Porsches, substituindo a ´arma´ Porsche GT3 atual para 2023.

Como poderá constatar na história anterior, aqui, todas as primeiras fotos de Fausto capturaram o novo carro pela frente / lateral, e agora a sequência, com algumas fotos da parte traseira do último carro de teste, definido para um programa de teste de corrida para a temporada seguinte e para vendas ao cliente a partir de 2023.

Fonte: Dailysportcar

Advertisements

Insights Forrester 2020 forecasts

Importância de uma boa e má ´ consumer experience ´ > > quais são os valores e os significados pretendidos pelo consumidor

Foco no ´ valiance ´ e ´ significado ´ das intenções humanas mais amplas
por ex lover. de marcas globais como a NIKE.

Foco na ética da aprendizagem automática, inteligência synthetic e nas consequências do ´ machinelearning ´ e I.A. Definição por parte do cliente do que deseja das marcas e sua personalização,
usabilidade e layout, a sua identidade,

>” consumer insatisfaction”, suas causas

´ Evangelização ´ do produto será ´ crucial ´, com o mkt em tecnologia a dever entrar em transparência, no processo de desenvolvimento das aplicações de segurança

by Forrester Research ´ 2020.

Advertisements

Forrester Insights > 2020 Predictions Outro foco estará cla…

Forrester Insights > 2020 Predictions
Outro foco estará claramente na ética da aprendizagem automática, inteligência synthetic
e nas consequências do ´ machinelearning ´ e I.A. e na construção da confiança interna dentro das partes interessadas sobre como a ia funciona. Para tal, há que obter uma
definição por parte do cliente do que deseja das marcas e sua personalização, em que a.
1ª camada é usabilidade e layout reconhecido contextualmente, e a 2ª camada, a sua identidade, descrevendo o utilizador – muito importante na personalização.

Advertisements

´ À medida que entramos em 2020, estamos à beira de uma m…

´ À medida que entramos em 2020, estamos à beira de uma mudança de grande alcance. ´ Estas oportunidades estão provavelmente carregadas com energia de dinâmicas que variam do consumidor baseado em valores até ameaças à segurança, tecnologias emergentes, e novas estruturas organizacionais.

O foco estará, e na sequência do que foi referio, no ´ valiance ´ e ´ significado ´ das intenções humanas mais amplas e não específicas como são os valores/resultados políticos, por ex lover. Outro foco estará claramente na ética da aprendizagem automática, inteligência fabricated e nas consequências do ´ equipment discovering ´ e I.A. e na construção da confiança interna dentro das partes interessadas sobre como a ia funciona. Tudo isto porque os clientes-pessoas querem uma personalização por parte das marcas- (ex-spouse.

É ponto assente que o MKT terá de trabalhar mais perto do desenvolvimento, como são exemplos hotelaria com utilização de aplicações nas suas operações, igualmente com companhias aéreas, restaurantes, and so on. A ´ evangelização ´ do produto será ´ crucial ´, também com uma tentativa de transportar uma medição da emoção dos clientes em código, aqui com o mkt em tecnologia e dever entrar em transparência, também no próprio processo de desenvolvimento das aplicações de segurança, sempre acompanhados com ´ code evaluation ´ sobre as suas inseguranças.

by Forrester Research 2020

´ À medida que entramos em 2020, estamos à beira de uma mudança de grande alcance. ´ Estas oportunidades estão provavelmente carregadas com energia de dinâmicas que variam do consumidor baseado em valores até ameaças à segurança, tecnologias emergentes, e novas estruturas organizacionais. O foco estará, e na sequência do que foi referio, no ´ valiance ´ e ´ significado ´ das intenções humanas mais amplas e não específicas como são os valores/resultados políticos, por ex-spouse.

Advertisements

CHIEF EXECUTIVE OFFICER, visto pela Forrester em 2020 Atualm…

CHIEF EXECUTIVE OFFICER, visto pela Forrester em 2020
Atualmente, o foco no CEO, reflete a necessidade numa falta de medo do desconhecido, necessidade de se abrirem ´ e começarem a entender e obter o apoio necessário na compreensão de blockchain, nuvem, and so on, recorrendo por exemplo a apoio de backoffice com criatividade de empresas, sem medo de ser único nesta vertente das
ceo1 A Forrester prevê que processos de ação nesta área de privacidade vão aumentar
Independentemente de acontecer através da tecnologia, sentimento, processo, ou regulação, o resultado será o mesmo: a gestão de advertising and marketing deixará de poder confiar em agregação de dados de terceiros para direcionar aos consumidores. Os marketing professionals vão afastar-se do laborioso e muitas vezes indesejado esforços de personalização. Dobrar a atenção em automação na empresa será uma tendência sem recuo.

Atualmente, o foco no CEO, reflete a necessidade numa falta de medo do desconhecido, necessidade de se abrirem ´ e começarem a entender e obter o apoio necessário na compreensão de blockchain, nuvem, and so on, recorrendo por exemplo a apoio de backoffice com criatividade de empresas, sem medo de ser único nesta vertente das
ceo1 A Forrester prevê que processos de ação nesta área de privacidade vão aumentar
Independentemente de acontecer através da tecnologia, sentimento, processo, ou regulação, o resultado será o mesmo: a gestão de advertising deixará de poder confiar em agregação de dados de terceiros para direcionar aos consumidores. Os marketing professionals vão afastar-se do laborioso e muitas vezes indesejado esforços de personalização.

Advertisements

Estratégia da gestão de Dados > Privacidade e riscos na se…

Estratégia da gestão de Dados > Privacidade e riscos na segurança
É basic para desbloquear a transformação electronic de uma empresa – e necessário para tomar vantagem da IA e da aprendizagem automática.

É basic para desbloquear a transformação electronic de uma empresa – e necessário para tomar vantagem da IA e da aprendizagem automática.

Advertisements
Advertisements

Advertising > Digital vs Creativity

CMO
CMO Quanto ao Marketing, a Forrester aponta 2020 como ano de desafio aos Marketeers e de balanço entre o investimento em criatividade e tecnologia. A premissa da ótica dos investimentos dos CMO continuará e reforçará o conceito de ROI, qual o retorno do investimento?

Em 2018 sabe-se que foi gasto cerca de 22% da totalidade de budget plan de advertising em technology
e em 2020 este investimento é esperado ser reforçado de forma a que as equipas de advertising and marketing tenham acesso a ferramentas que efetivamente ajudam o advertising and marketing a tornar-se mais eficiente e ágil.
Existirá uma clara necessidade de diferenciação das marcas junto dos seus clientes pois
no mercado os seus gamers usarão as mesmas plataformaso que reforçará também o papel das agências de comunicação. Conselhos para o sucesso? ´ Test as well as find out ´ A
combinação do fator humano com a tecnologia fará a diferença, sendo que é estimado
crescimento do investimento em tecnologia entre 9% e 11% anualmente versus 2.4% em serviços com receio de menos criatividade e os seus efeitos.
O CMO irá ter de atuar estrategicamente quando decidir se terá a necessidade de focar na tecnologia ou criatividade e deverá socorrer-se de formação e serviços externos.

2020 para o Marketing, ano de recalibração, alguns solavancos e ressaltos,
e sempre com roadmap à mão!